quinta-feira, 6 de outubro de 2011

O que é bom tem que ser divulgado

                           

“...Hoje gostaria de contar para vocês três histórias da minha vida.  Não é grande coisa, só três histórias.
A primeira história é sobre ligar os pontos. Deixei a faculdade depois dos seis primeiros meses que entrei, mas então fiquei um tempo de dezoito meses antes de realmente sair. Então porque eu saí? Começou antes de eu nascer. Minha mãe biológica era uma jovem e solteira estudante de faculdade, e ela decidiu me colocar para adoção. Ela achava muito fortemente que eu devia ser adotado por pessoas formadas, então tudo estava preparado pra que quando eu nascesse fosse adotado por um advogado e sua esposa. Exceto que quando eu apareci eles decidiram no último minuto, que na verdade eles queriam uma garota. Então meus pais adotivos, que estavam numa lista de espera, receberam uma ligação no meio da noite perguntando: “Nós temos um garoto inesperado, vocês o querem?” Eles disseram: “É claro!” Minha mãe biológica mais tarde descobriu que minha mãe adotiva nunca se formou na faculdade e que meu pai adotivo nunca se formou no colégio (ensino médio), ela se recusou a assinar os papéis finais da adoção, ela só cedeu alguns meses depois, quando meus pais adotivos prometeram que um dia eu iria para a faculdade, esse foi o começo, na minha vida, e 17 anos depois eu fui para a faculdade. Mas ingenuamente escolhi uma faculdade quase tão cara quanto Stanford e todas as economias dos meus pais de classe operária estavam sendo gastas na minha educação superior. Depois de seis meses, eu não podia enxergar o valor daquilo. Não tinha idéia do que queria fazer da minha vida e nenhuma idéia de como a faculdade poderia me ajudar a descobrir, e lá estava eu gastando todo o dinheiro que meus pais economizaram durante suas vidas inteiras; então decidi sair e confiar que tudo ia acabar dando certo. Era bem assustador naquela época, mas olhando para trás, foi uma das melhores decisões que já tomei. Assim que eu saí, eu pude parar de assistir aulas obrigatórias que não me interessavam, e comecei a assistir as que pareciam interessantes. Nem tudo foi tão romântico. Eu não tinha um dormitório, então dormia no chão do quarto dos amigos, eu devolvia as garrafas de coca-cola aos depósitos por cinco centavos para poder comprar comida e andava (11km) através da cidade, toda  noite de domingo para pegar uma boa refeição semanal no templo de Hare Krishna, eu amava aquilo, e muito do que encontrei seguindo minha curiosidade e intuição, se mostrou de valor incalculável mais tarde. Um exemplo: A faculdade naquele tempo oferecia a quem sabe a melhor instrução sobre caligrafia no país, por todo campus, cada pôster, cada etiqueta em cada gaveta, apresentava uma bela caligrafia manual. Por eu ter saído e não ter que assistir    as aulas normais,  decidi tomar aulas de caligrafia para aprender a fazer aquilo, eu aprendi sobre caracteres com e sem serifa, sobre a variação do espaço entre diferentes combinações de letras, sobre o que torna a grande tipografia grande. Era bonita, histórica, artisticamente sutil de uma maneira que a ciência não pode capturar, e eu achei aquilo fascinante. Nada disso tinha sequer um lampejo de aplicação prática na minha vida, mas dez anos depois, quando nós  estávamos projetando o primeiro computador Macintosh, aquilo tudo voltou para mim e nós colocamos tudo no Mac. Foi o primeiro computador com uma tipografia bonita. Se eu nunca tivesse entrado naquele simples curso da faculdade, o AC nunca teria múltiplos tamanhos de letra ou fontes proporcionalmente espaçadas, e já que o Windows  copiou  o Mac, provavelmente nenhum computador pessoal teria.Claro que era possível conectar os pontos olhando pra frente quando eu estava na faculdade, mas ficou muito, muito claro olhando pra trás dez anos depois. De novo, você não pode conectar os pontos olhando adiante, você só pode conectá-los olhando para trás. Então você tem que confiar que os pontos de algum jeito vão se conectar em seu futuro.  Você precisa acreditar em alguma coisa, tenha coragem, no seu Deus, destino, na sua vida, no karma, seja o que for, em qualquer coisa. Porque acreditar que os pontos vão se ligar em um momento, vai te dar confiança para seguir seu coração, mesmo que te leve para um caminho diferente do previsto, e isto fará toda a diferença. 
Minha segunda história é sobre amor e perda. Eu fui sortudo,encontrei o que eu amava fazer cedo na vida. Woz e eu começamos a Apple na garagem dos meus pais quando eu tinha 20 anos. Nós trabalhamos duro, e em 10 anos a Apple cresceu de apenas nós dois numa garagem para uma companhia de 2 bilhões de dólares com mais de 4.000 empregados, nós acabávamos de lançar nossa maior criação – Macintosh um ano antes e eu fizera 30 anos, e então fui demitido. Como você pode ser demitido de uma empresa que você começou? Conforme a Aplle cresceu, contratamos alguém que eu achava muito talentoso para levar a empresa comigo, e no primeiro ano,as coisas saíram bem, mas então nossas visões do futuro   começaram a divergir e eventualmente tivemos uma briga. Quando isso aconteceu, nosso quandro de diretores ficou do lado dele; então aos 30 anos eu estava fora, escandalosamente fora!  Mas alguma coisa lentamente começou a nascer em mim, eu continuava amando o que fazia. Eu havia sido rejeitado, mas continuava amando. Foi quando decidi começar de novo. Não enxerguei isso na época, mas ser demitido foi a melhor coisa   que poderia ter acontecido para mim, o peso de ser vitorioso foi substituído pelo vazio de ser um iniciante outra vez sem muita certeza sobre nada, isso me deu liberdade para começar um dos períodos mais criativos da minha vida. Durante os cinco anos seguintes, criei uma companhia chamada Next e outra companhia chamada Pixar, me apaixonei por uma mulher maravilhosa que se tornou minha esposa. Pixar hoje é o estúdio de desenho animado mais sucedido do mundo. Tenho certeza que nada disso teria acontecido se eu não tivesse sido demitido. Foi um remédio horrível, mas eu entendo que o paciente precisava. Às vezes, a vida bate com um tijolo na sua cabeça. Não perca a fé . Estou convencido de que a única coisa que me permitiu seguir adiante foi o meu amor pelo que fazia. Você tem que descobrir o que você ama. Isso é verdadeiro tanto para seu trabalho quanto para com as pessoa que você ama. Seu trabalho vai preencher uma grande parte de sua vida, e a única maneira de ficar realmente satisfeito é fazer o que você acredita que é um ótimo trabalho, e a única maneira de fazer um excelente trabalho é amar o que você faz. Se você ainda não encontrou o que é, continue procurando. Não sossegue. Assim como todos os assuntos do coração, você saberá quando encontrar. E como em qualquer grande relacionamento, só fica melhor à medida que os anos passam.

Minha terceira história é sobre a morte. Quando tinha 17 anos,  li uma citação mais ou menos assim: “Se você viver cada dia como se fosse o último, algum dia provavelmente você vai acertar” Aquilo me impressionou, e desde então, nos últimos 33 anos eu tenho olhado no espelho cada manhã e perguntado a mim mesmo: “Se hoje fosse o último dia da minha vida, eu ia querer fazer o que hoje?” E sempre que a resposta foi “não” por vários dias seguidos, eu soube que tinha que mudar alguma coisa.     Lembrar que estarei morto em breve é a ferramenta mais importante que eu encontrei para me ajudar a fazer grandes escolhas na vida. Por que quase tudo – todas as expectativas externas, todo o orgulho, todo o medo de se envergonhar ou de errar – isto tudo cai diante da face da morte, restando apenas o que realmente é importante. Lembrar que você vai morrer é a melhor maneira para eu saber evitar em pensar que tenho algo a perder. Tendo passado por isso, posso dizer agora com mais certeza do que quando a morte era apenas um conceito intelectual: ninguém quer morrer. Até mesmo as pessoas que querem ir para o céu não querem morrer para ir para lá. Ainda, a morte é um destino que todos nós compartilhamos. Ninguém conseguiu escapar dela. E assim é como deve ser, porque a morte é talvez a melhor invenção da vida. É o agente que faz a vida mudar. É eliminar o velho para dar espaço para o novo. Neste momento, o novo são vocês, mas algum dia não tão longe, vocês gradualmente serão o velho e darão espaço para o novo. Desculpa ser tão dramático, mas é a verdade. Seu tempo é limitado, por isso, não perca tempo em viver a vida de outra pessoa. Não se prenda pelo dogma que nada mais é do que viver pelos resultados das idéias de outras pessoas. Tenha juventude.Mantenha a ingenuidade. Eu sempre desejei isso para mim. E agora, que vocês se formam para começar algo novo, desejo isso para vocês."


Famoso discurso de Steve Jobs para formandos em 2005.





2 comentários:

A.S. disse...

Excelente texto e uma linda e singela homenagem a Steve Jobs, um verdadeiro génio!...


Beijos,
AL

Vencer Barreiras disse...

Obrigada pelo comentário. E sim, o cara era um gênio da Comunicação! Não poderia deixar de citá-lo aqui. Abraços!

Postar um comentário