quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Poesia

        


Lázaro

Lázaro , Lázaro !
Sou atento ao paraíso que te chamou pelo nome .
quando tudo era silêncio , quando nada se movia.

Porém aqui tudo que escuto é diferente.
aqui os signos tombam e nenhum Deus reverbera.

Será que é medo essas manhãs sem algarismos ?

Também corri atrás da mesma luz que você.
atrás do mesmo chamado , na superfície mais doce da fábula.

E sei do lenho entre as pedras.
dos gestos que não vingam.
mas que se repetem na nossa épica jornada.

Aqui a luz é pouca , Lázaro!
cíclica , foge ao compromisso de ser grande
e não sugere um novo pacto.

Sua tarefa é cada vez mais onerosa.
sem milagres , e sem o brilho secreto para gerar novas sementes.

Apenas esse roteiro indecifrável é a nossa eternidade.
com suas asas , e suas danações.

Aqui a luz é pouca , Lázaro !
mas sou atento aquela voz que te chamou pelo nome .


E de algumas mortes

Também sei voltar .


(Moisés Poeta)


PS: Me encantei com a sensibilidade desse poeta ao escrever em versos palavras tão belas!!! Simplesmente lindo!

2 comentários:

Adriana Duarte - Sentimentos Vivos disse...

Olá amiga ronia, passei para te deixar um abraço e desejar umalinda noite. Ficarei feliz e agradecida com tua visita ao meu blog. bjuss

Vencer Barreiras disse...

Olá Adriana...que bom ver você aqui no meu cantinho e receber um comentário. É claro que passo lá no seu blog. Boa noite p/ você também e apareça mais vezes. Grande beijo!

Postar um comentário